domingo, 21 de junho de 2009

CHEIROS

Entro no meu quarto vazio, cama desfeita,
Onde ainda há pouco dançavamos
A nossa coreografia de sempre.
Sinto o meu cheiro no quarto.
O meu cheiro de quando estou contigo.
Cheiro o desejo no ar,
O meu desejo já consumado ficou no quarto
Para me lembrar que já te foste, mas que voltarás.

Deslizo nos lençois desmanchados,
E sinto o cheiro do teu prazer em cada fibra de algodão,
O teu prazer concluído em mim,
Vaporizado na almofada que é tua,
Transformando-a por momentos em ti,
A quem me abraço com saudade...

2 comentários:

João Pedro disse...

Gostei muito do que li, aqui.
Quero voltar. ;-)

Boa semana,

spritof disse...

...e não é que é mesmo noutro formato?
:D




Mas está muito bem conseguido, está sentido... os pormenores da fibra, do cheiro no ar do desejo consumado, a almofada... ah, essa almofada...

Agarramo-nos sempre às pequenas coisas que vincam os nossos sentidos.